- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Senhor sapateiro

José Luís Gordo / José da Câmara / Luís Petisca
Repertório de José da Câmara


Senhor sapateiro
Leve-me pouco dinheiro para arranjar meus sapatos
Não têm alma nem sola
Já pediram tanta esmola pelas ruas do cansaço
Às vezes choro com eles sem saber para onde vamos
Senhor sapateiro leve-me pouco dinheiro

Senhor sapateiro
Arranje o esquerdo primeiro, do lado do coração
E já não tarda janeiro, vem a chuva, vem a lama
Senhor sapateiro
E depois não tenho cama, nem brasas no meu braseiro

Senhor sapateiro, bata a sola devagar
Que este meu pé direito
Não se cansa de andar à chuva um inverno inteiro
Sem saber onde ficar

Senhor sapateito não magoe os meus sapatos
São os meus dois companheiros
Nas horas de desespero
Lembram meus filhos primeiro
Como se fossem retratos