<> Canal de Rádio criado em homenagem a RODRIGO <>
Clique na imagem e oiça a Rádio Bocas do Fado

<> <> <>
Este espaço foi criado <> Com grande dedicação <> Por alguém que faz do fado <> A sua religião.

<> <> <>
As 5.845 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.

<> <> <>
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa.
Paulo Freire *filósofo* 1921 <> 1997

<> <> <>
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil <> Em caso de dificuldade não hesite em contactar <> fadopoesia@gmail.com

Minha mãe nasci fadista

Hermano Sobral / Frei Hermano da Camara
Repertório de Frei Hermano da Camara

Minha mãe nasci fadista
Mora fado no meu peito;
Não se canse, não insista
Não há ninguém que desista
Quando vive satisfeito

Não lhe dê maior cuidado / Este modo de cantar

É um destino marcado / Quando sofro, canto o fado
Antes isso que chorar

Quem chora dá a saber / A má sorte que lhe cabe

Neste meu jeito de ser / Posso cantar por sofrer
Não o digo e ninguém sabe

Fado, é triste solidão / Fado existe em todos nós
Cantar fado é um condão / É dar fala ao coração

E viver com essa voz

A cantar vivo contente / Tenho a sorte que Deus quis
Quando o fado é permanente / Dá tristeza a quem o sente

Mas quem o canta, é feliz