- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Fado safado

António Sala

Prometi a mim mesmo escrever um fadinho
Mas não sei como vou começar
Vai dali a guitarra, vai daqui a viola
E depois cá vai disto, é cantar

Mas sei pouco de fado, sei que gosta de vinho
Em que estamos de acordo p'ra já
Dizem que é refilão, tem ar de engatatão
E só gosta que o chamem de pá

Fado vadio, crescido na rua, nas noites lá no Coliseu
Fado malandro, poeta da noite, conheces mais ruas do que eu
Fado sem fato, que perdeste a gravata
Fugiste p'ra um beco em Cascais
Vais á Boite e acompanhas o Rock
Meu grande safado... és demais

Prometi a mim mesmo escrever um fadinho
E não sei como vou terminar
Vou tirar-lhe a guitarra, vou sacar-lhe a viola
Mas o fado não se sabe calar

Está no passo gingão, na varina atrevida
Nas ginginhas tomadas de pé
Está nas musas do Tejo, nas miúdas que eu vejo
E nas cenas canalhas, até