- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado esquecido

Tiago Torres da Silva / José Marques *fado triplicado*
Repertório de Carlos Guedes de Amorim
Copiado do livro de poesia de TTS

Sempre fui muito esquecido
Mas duvido que um marido
Tenha de saber de cor
Todos os números e datas
Que tu tratas como exactas
Pra eu me sentir pior

Já disse que não me lembro
Se em novembro ou em dezembro / É o teu aniversário
Se por vezes perco o Norte
Já tens sorte que eu me importe / Que tu sejas sagitário

Nem telefones nem moradas
Nem tiradas decoradas / Para fazer sensação
Pões-me a vida do avesso
Se eu me esqueço qual o preço / Do anel que tens na mão

Quando às vezes te chateias
E receias que as ideias / Me estejam a baralhar
Na esp’rança vã que eu me renda
Dás-me por prenda uma agenda / Que eu jamais irei usar

Mas se o teu olhar me lança
Uma esp’rança na vingança / Que se deve servir fria
Digo-te amor, na verdade
Que a saudade também há-de / Vir a esquecer-nos um dia