- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rua mais lisboeta

Vasco Macedo / Lourenço Rodrigues 
Repertório de Hermínia Silva 

Cá p'ra mim a minha rua 
É um risonho canteiro
Tem gatos miando à lua 
Nos telhados em Janeiro 

Tudo ali é português 
Tudo lá vive contente
Vive o pobre e o burguês 
É pequenina?... talvez 
Mas cabe lá toda a gente 

Melhor nunca vi, que a rua onde nasci 
Rua pobrezinha / Mas tem uma graça infinda 
É humilde, qual aldeia 
Embora digam que é feia / Cá p'ra mim é a mais linda 

Não há ódios nem maldade
Tudo ali é singeleza
Não pode haver na cidade 
Rua assim mais portuguesa

Nada tem que seja novo
Essa rua da gentalha
Ali canto e me comovo 
Pois é rua do povo 
Que labuta e que trabalha