- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O menino e a cidade

Letra e música de Joana Espadinha
Repertório de Carminho

Uma a uma, as luzes da cidade vão se despedindo
E o menino, sonhando acordado, espera o seu destino
Que horas lhe trarão os dias?
Que mãos um dia há-de beijar, devagar?

Ele sabe que a vida não arde se o sonho é pequeno
E que às vezes poderá queimar-te com o seu veneno
À noite a mãe chora baixinho
Sozinha p’ra não perturbar
A cidade que hoje dorme sem luar

Não tenhas medo
Se o tempo foge sem razão não tenhas medo
Serás maior que a solidão
Que o homem não chora sozinho
Não pode deixar de sonhar


Noite fora, a madrugada chora solta pelo vento
E o menino já se foi embora, já cresceu por dentro
Não espera desvendar os dias, já desvendou uma mulher
Faz de conta que já sabe o que ela quer