- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Barrete verde

Frederico de Brito / Ferrer Trindade
Repertório de Tristão da Silva

-
Criação de Tristão da Silva
Gravado em 1953, pela etiqueta “Estoril”
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-
Barrete verde e jaqueta
E a cinta preta toda franjada
Atrás dos toiros mais lestos

Quando os cabrestos vão d'abalada
Segue o caminho da praça

E o gado passa como um foguete
Espera de toiros é esta

A melhor festa que há em Alcochete

Há sempre um toiro na calha

Que se tresmalha, que faz das suas
Ninguém supõe a alegria

E a valentia que andam p’las ruas
Depois é ver as faenas

Que são apenas pronúncios d'arte
Pegas com palmas e brados

Porque há forcados por toda a parte

Barretes verdes, campinas

Brancas salinas, gente modesta
Que atira ao ar do barrete

Quando Alcochete se encontra em festa
Que andar no mar é seu fado

O Tejo irado não lhe faz mágoa
Que vive alegre e contente

Porque é só gente da Borda d’Água


Este fado-canção caracteriza-se por não possuir refrão cantado. 
No entanto, bastaria as estrofes serem formadas por versos de diferentes 
metrificações para o arredar da classificação de tradicional. 

Além disso, o refrão existe, embora apenas como separador instrumental.
Não deixa de ser um bem conseguido exemplo de fado alegre, de andamento musical vivo
com imagens cheias de colorido, a traduzir com muito realismo o ambiente das
Festas do Barrete Verde e das Salinas (estas igualmente referidas na letra)
apanágio da vila ribatejana de Alcochete.