- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Já que sais

José Gonçalez / Armando Machado *fado santa luzia*
Repertório de António Pinto Basto

Agora que a minha rua
Vai deixar de ser a tua
Porque te queres ir embora
Diz àquele sonho antigo
Que parta também contigo
Que saia p’la porta fora

Podes levar o que é teu
Se quiseres leva o que é meu
Isso a mim já nada interessa
Sai quando eu cá não estiver
Porque eu não te quero ver
Já que sais, parte depressa

Não deixes fotografias
Testemunhas de alegrias
Felicidades doutras luas
Eu não quero mais andar
Por aí, a encalhar
Em tantas lembranças tuas

Não me fales nunca mais
Nem me digas p’ra onde vais
Se finjo que nada importa
Tenho medo que o coração
Não resista à tentação
E te vá bater à porta