- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um minuto, meu amor

João Fezas Vital / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Vasco Rafael

No minuto que nos derem aqueles que fecham janelas
Os meus dedos no teu rosto farão desenhos de amor
E os caminhos que fizerem omeus lábios no teu corpo
Terão, da ternura, o gosto e a força que vem da dor

Um minuto é quanto quero para que possa tocar-te
Como quem descobre a casa onde sempre quis viver
Com a sede e o desespero de ser gente, e dar por isso
E a fúria, quase brasa, de não querermos morrer

É preciso ter coragem
P’ra enlouquecer devagar
Na saudade adivinhada
Da saudade que nos tomem
Vamos sair de viagem
Meu amor, por um minuto
Que é o tempo que a madrugada
Leva a ser mulher e homem