- - - - -

- - - - -
<> Clique na imagem e oiça Fado <>
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.700 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Palavras roubadas

Vasco de Lima Couto / Joaquim Campos *alexandrino*
Repertório de António Mourão

Roubei muitas palavras na solidão quieta
Para ver se ouvia contar a minha história
Mas doeram-me tanto as palavras roubadas
Que eu hoje só te encontro no fundo da nemória

E se às vezes te vejo, procuro uma razão
P'ra logo t'esquecer e passar adiante
Mas mistura-se o vento e eu sei que ele conhece
Que há um grito em teu nome de ave morta e d'amante

Ponho as mãos sobre a ponte donde se avista a margem
E canto o fado inútil, da noite em seu redor
Mas todas as palavras caíram no silêncio

E o silêncio cresceu, meu amor, meu amor