- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Carta para o degredo

Fernando Teles / Direitos reservados
Repertório de Maria Alice

Meu amor, felicidade 
Deseja a tua Maria
Quanto a mim a tua ausência 
Vai-me dando o dia a dia;
As maiores ansiedades
Da mais feroz inclemência

São ânsias p’lo teu penar / São ânsias deste meu medo
De já não te ver voltar / Desse maldito degredo

Vou-te uma coisa dizer / Que é para ti novidade
Andei a aprender a ler / P’ra te escrever à vontade

Já estas letras são minhas / 
Recebi a tua carta
Que desconfiança tinhas 
Porém não, nunca se aparta / De mim, a louca saudade
Este sonho insatisfeito;
Que é toda a minha vontade / De te apertar contra o peito

Pedes notícias de alguém / Ouve amor o que te digo
Novas não te dou de quem / Já não se importa contigo
Notícias só de bom grado / Eu tas dou da tua mãe
Que de tanto ter chorado / Já mais lágrimas não tem

Ah, cruel, fatal destino / Horas amaldiçoadas
Que fez de ti assassino / E fez duas desgraçadas

Por minha vida te juro / Que espero por ti meu bem
Ou sou tua no futuro / Ou não serei de ninguém

Termino esta vida minha / Desejando feliz sorte
Manda a tua mãezinha / Um abraço até à morte

São esses os seus desejos / Adeus qurido até um dia
Aceita milhões de beijos / Da tua sempre Maria


Letra r ecolhida por audição de um disco de Maria Alice
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*