- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O sapateiro

Neca Rafael / Paulino Garcia
Repertório de Neca Rafael

Vou contar a vosselências um drama verdadeiro
De tão horripilante, que vos farei comover
Era um rapaz honesto, um pobre sapateiro
Que há mais de 30 anos não tinha que fazer

Caminhou, caminhou, como um judeu errante
E numa grande feira, chamou-o à atenção
O bater dum tambor dum circo ambulante
Com monstruosas feras ali em exposição

Surgiu rápido à mente do humilde operário
Em dirigir-se ao circo e de contar então
Toda a sua miséria ao ricaço empresário
E este lhe daria uma colocação

Por Deus tudo arranjou, foi boa a sua fé
Com 10 escudos diários para viver tranquilo
Porque havia morrido no circo, um chimpanzé
E ele se propôs a substituí-lo

Parecia o falecido quando vestiu a pele
A saltar no trapézio sem temer resultados
Depois, a canalhada, por gostar muito dele
Enchia-lhe a pá do bucho com fruta e rebuçados

Ah... mas num dia fatal, juntou-se a multidão
A admirar o bicho e o tipo envaidecido
Saltou e foi caír na jaula do leão
Num alto grito disse; ai Jesus, estou perdido!...

Oh meu Deus, quem me acode, eu vou ser devorado
Represento p'ra ele uns dois ou três pedaços
E o leão diz baixinho; oh ladrão está calado
Que eu também aqui estou a esfolar 10 palhaços