- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa noiva do fado

António José / Ferrer Trindade
Repertório de Amália Rodrigues

Nessa janela de águas furtadas
Há trepadeiras entrelaçadas
E dentro delaS lá está Lisboa
Olhando o Tejo no altar da Madragoa

Mas à noitinha, está combinado
Andar sozinha com o seu fado
Se desce à rua já não se importa
Que até a lua veja o fado à sua porta

Dizem que o Tejo é
 teu namorado
E todos sabemos que és noiva do fado
Mas não te cases com um só depois
O melhor que fazes é namorar com os dois

Neste noivado entre vizinhos
Não há pecado, pois são velhinhos
Mas tu Lisboa toda te enfeitas
E eu até vejo os olhares que lhe deitas

Tens um costume que eu tanto invejo
Fazer ciúme ao pobre Tejo
Quando apareces com o teu tado
Nunca te esqueces de levar xaile franjado