- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inês à espera

Alberto Franco / Fernando Freitas *fado pena*
Repertório de Ana Pacheco

Dizem-me que é tarde e não te espere
Que nunca mais render-me amor virás
Pois o amor que a fria razão fere
É certo que com ferros morrerá

Não quis as leis austeras afrontar
Apenas o amor guiou meus passos
E se por Pedro à morte me entregar
Que a minha vida acabe nos seus braços

Como esquecer as brancas madrugadas
O seu encanto brando e amoroso
As horas por nós dois tão celebradas
Nas margens do Mondego rumoroso

Não sei, meu rei, se voltarás ou não
Nem quando a minha espera findará
Mas disse-me baixinho o coração
Que o nosso amor a morte vencerá