- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 90 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Fado do miradouro

Ary dos Santos / Alfredo Duarte *fado versículo*
Repertório de José Manuel Osório


Do alto do miradouro / da cidade
Com olhos molhados vejo / o que eu adoro
De cabelos cor de ouro / mocidade
Da Lisboa mira tejo / onde eu moro

Da Lisboa mira mágoa / onde eu penso
Com a chita dos telhados / a cobrir
Descosida á beira água / o rio imenso
Em vestidos já cansados / de vestir

De Lisboa mira dor / mas feita gente
Aberta blusa de vento / marinheiro
Talhada em fado menor / amargamente
Caseada a sofrimento / verdadeiro

De Lisboa mira céu / incendiada
No azul da madrugada / que nasceu
De Lisboa que sou eu / apaixonada
Mulher do povo sem nada / que se ergueu

De Lisboa mira espaço / sem limite
Abrindo cada janela / á liberdade
Para que á força do braço / não hesite
E o fumo seja dela / de verdade

Em Lisboa mira Abril / que é primavera
Mesmo no fado menor / que tanto dói
Somos muitos, muitos mil / todos á espera
Duma esperança que é maior / que sempre foi