<> Existe um espaço de 20 segundos entre o começo do Fado e a sua identificação <>
Loading ...
<> <> <> <> <>
Vai certamente encontrar // Algumas incorreções /:/ Se quiser, pode ajudar // Com boas informações.

<> <> <> <> <>
As letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.

<> <> <> <> <>
A seguir aos índices encontrará uma lista aconselhável de FONTES de FADO !!!

<> <> <>

<> <> <>
5.680 Letras / 1.320.000 VISITAS // JULHO 2019

Retrato do povo de Lisboa

Ary dos Santos / José Pinto
Repertório de de Helena de Castro

É da torre mais alta do meu pranto
Que eu canto este meu sangue, este meu povo
Dessa torre maior em que apenas sou grande
por me cantar de novo

Cantar como quem despe a ganga da tristeza
E põe a nu a espádua da saudade
Chama que nasce e cresce e morre acesa
Em plena liberdade

É da voz do meu povo, uma criança
Semi-nua, nas docas de Lisboa
Que eu ganho a minha voz
Caldo verde sem esperança
Laranja de humildade, amarga lança
Até que a voz me doa


Mas nunca se dói só quem a cantar magoa
Dói-me o Tejo vazio, dói-me a miséria
Apunhalada na garganta
Dói-me o sangue vencido a nódoa negra
Punhada no meu canto