- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alfama não envelhece

Amadeu do Vale / Carlos Dias
Repertório de Celeste Rodrigues

Alfama não envelhece
E hoje parece mais nova ainda
Iluminou a janela
Reparem nela como está linda
Vestiu a blusa clarinha
Que a da vizinha é mais modesta
E pôs a saia garrida
Que só é vestida nos dias de festa

Becos escadinhas, ruas estreitinhas
Onde a cada esquina há um bailarico
Trovas nas vielas e em todas elas
Perfumes de manjerico
Gritos, gargalhadas, fados, desgarradas
Hoje em Alfama é o demónio
E a cada canto o suave encanto
Dum trono de Santo António

Já se não ouvem cantigas
E as raparigas de olhos cansados
Ainda aproveitam o ensejo
De mais um beijo dos namorados
Já se ouvem sinos tocando
Galos cantando à desgarrada
Mas mesmo assim dona Alfama
Não vai para a cama sem ser madrugada