- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Circo ambulante

Manuel Garcia da Silva
Repertório de Neca Rafael 

Já não tinha quem fiasse
Quem me desse ou emprestasse
Qualquer parcela
Vi a família perdida
E perdida a minha vida 
É claro, olhei por ela

Sem chinfrim ou escarcéu / Resolvi tudo num instante
Companhia tinha eu / E fiz um circo ambulante

Com uns barrotes / E uns lençóis a rodar
Quatro pinotes / E já tinha gente a entrar
Entrada a coroa / Geral, bancada ou peão
Já p'ró caldinho e p'rá broa
Não havia aflição

Minha sogra, a trapezista
Era então equilibrista / Minha cunhada
O meu sogro, o Zé trombudo
É quem fazia o faz tudo / Sem fazer nada

Meu cunhado o troca o passo / Já sem que trocasse os passos
É quem fazia o palhaço / P'ra esfolar uns palhaços

Ai a minha filha / Que grande contorcionista
Que maravilha / Quando aparecia na pista
Trabalhos bons / Desde o princípio ao fim
P'ra meter os pés p'las mãos / Eu nunca vi traste assim

Minha esposa, a ilusionista
Nunca vi melhor artista / Nem pode haver
Porque que tudo quanto via
Aquele diabo fazia / Desaparecer

Vejam que aquela mulher / De truques com excelência
Fez-me até desaparecer / O dinheiro e a paciência

Ah! mas que invisível / Trabalho de ilusionista
É impossível / Haver assim uma artista
Trabalhos dela/ Iguais nunca vi fazer
Até desapareceu ela / E não voltou a aparecer