As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Fado do 31

João Alves Coelho / José Maria Pereira Coelho
Repertório de Estevão Amarante

É pró fado nacional... Pró pagode e pró banzé
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal / Ólari ló pistaré

O fado do 31

Á porta da Brasileira... Dois tipos encontram dois
Juntam-se os quatro e depois... Lá começa a cavaqueira

Agrava-se a chinfrineira
Vai aumentando o zum-zum... Vem bomba, rebenta, pum
Depois mais tarde vereis / 24... 26...29... e 31

Ó larilólela...
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal o fado do 31

Desde manhã os tachados... Bebem vinho da botija
Viram dois copos da rija... De quatro em dois separados

E assim bem engraxados
P´ra não ficar em jejum... Mamam dois copos de rum
Desata tudo ao biscoito / 24... 28... 29... e 31

Um homem que quer sarilhos... Por um motivo qualquer
Discute com a mulher... E dá porrada nos filhos

A sogra nos mesmos trilhos
P´ra não ficar em jejum... leva também um fartum
Vem Carcavelos, vem Porto
E depois está tudo torto / E rebenta o 31