- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção do pastor

Amadeu do Vale / Jaime Mendes
Repertório de Alberto Ribeiro

O silencio caíu remançoso
Lento e saudoso sobre as campinas
Os rebanhos saltando os outeiros
Descem ligeiros pelas colinas

Só se ouve a suave harmonia
Ao descaír do dia
Duma flauta saudadndo o poente
Num sol plangente de nostalgia

Pastor, não tenhas medo e diz onde buscaste
Esses sons tão suaves como o trino das aves
Diz-me cá em segredo, a que foi que os roubaste

Á voz triste dos montes / Á voz febril do mar
Ou foi á voz das fontes / Quando cantam á luz do luar

Já o sol se escondeu no horizonte
P'ra lá do monte, na serrania
Tangem sinos rezando saudades
São as Trindades, Avé-Maria

Já se acendem lareiras na aldeia
Brilha a luz da candeia
E nos choupos, por entte as ramadas
A pardalada salta e chilreia

A luz tem mais doçura no céu de nuvens claras
Nos trigais ondulando, as espigas bailando
Dizem já da fartura que há, de pão nas searas

A paz tudo domina / Do céu vem outra luz
E quando o sol declina / Uma flor nasce aos pés duma cruz