- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Jericada

Neca Rafael / Raúl Ferrão *fado das caldas*
Repertório de Neca Rafael

Com a família endiabrada / Eu fui passear p'ra Braga
E como o Zeca é quem paga / Toca a alugar Jericada
Tudo monta e catrapuz / 
Lá fomos pró Bom Jesus

De Milorde aguisalhada
E a famelga escarranchada
Trote largo e para a frente
Com a patroa e os catraios;
As Jericas eram raios
E a sogra ia c'oa gente


A sogra ia num macho / Morrinhento e com caspa
Que se pôs a dançar a raspa / E deitou a velhota abaixo
Ah! mas ela que aferrou / 
No cachaço lhe ferrou

Ela ferra a todo o modo / É de guinões e repentes
Mas como já não tem dentes / Babou o Jerico todo
E no fim dêste restolho / 
O Jerico piscou-lhe o olho