As 5.150 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A camponesa e o pescador

Henrique Rego / Joaquim Cmpos *fado alexandrino*
Dueto nas vozes de: Fernanda Maria & Alfredo Marceneiro

Ele
Eu adoro do mar, as ondas imponentes
Que vão morrer à praia em finos rendilhados

Ela
Eu adoro a campina, a rústica montanha
Adoro enfim a paz nostálgica dos prados

Ele
Camponesa, sabes lá os encantos que encerra
A cerúlea amplidão dos grandes oceanos
Quando a guitarra geme os íntimos arcanos
Do nauta que partiu em busca doutra terra

Ela
Tem mais encanto ver no alto duma serra
O sol agonizar em crispações frementes
Ouvimos as canções bucólicas, ardentes
Cantadas com amor pelas lindas zagalas

Ele
Apesar da beleza ascensa com que falas
Eu adoro do mar as ondas imponentes

Ela
Acaso há lá no mar as fontes que gotejam
Igrejas do Senhor batendo Avé-Marias
Cantos de rouxinol e bandos de cotovias
Cruzeiros que na estrada á noite lacrimejam

Ele
No mar mais fortemente as saudades adejam
Uma tal comoção, mais emotiva e estranha
Que a gente, ai… quanta vez, soluça e amarfanha
As mãos de encontro ao peito olhando o infinito

Ela
Concordarei enfim, mas ainda te repito
Eu adoro a campina, a rústica montanha

Ele
Também adoro o amigo e agora te acrescento
Há gente que no mar transpondo as águas cérulas
Gasta a vida colhendo as cruscantes pérolas
E chora tanta vez com falta de alimento

Ela
Também no campo existe a fome e o desalento
Entre nós os rurais morrem escravizados

Ele
Já vejo: és minha irmã, são iguais os nossos fados

Ela
Eu sou a camponesa e tu, o pescador
Adoro em ti o mar e com grande fervor
Adoro enfim a paz nostálgica dos prados