- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Última corrida em Salvaterra

Fernando Teles / Filipe Pinto *fado meia noite estilado*
Versão do repertório de Manuel Cardoso de Menezes

É a tarde de mais estival / Dolente, calma, doirada
E tem começo a toirada / Na praça monumental
No camarote real / Há dos Braganças, a flor
E nos outros em redor / Mulheres, lindos tesoiros
Enfim, é tarde de toiros
Com todo o seu esplendor

Instante supremo e belo / Entra na arena Fernando
Que garboso, cavalgando / Cita um toiro de Castelo
Trava-se cruento duelo / A fera rápida insiste
A montada não resiste / A esse choque brutal
Só o sol, a cena tal
Alheio, impávido assiste

Ecoa no espaço um brado / Tremendo da multidão
Capotes rojam no chão / Anseio desesperado
Mas todo o esforço é baldado / Ei-lo à morte prisioneiro
Brotam pranto verdadeiro / Olhos que amar o fitaram;
Pois duas mulheres choraram
A morte do cavaleiro