Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO apadrinhado pelo mestre RODRIGO

*CLIQUE e OIÇA*
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores dos temas aqui apresentados.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Impossível

Letra de Linhares Barbosa
Publicada no jornal “Guitarra de Portugal” em Outubro de 1945
Desconheço se esta letra foi gravada.
Publico-a na esperança de obter informação credível
Letra transcrita do livro editado pela Academia da Guitarra e do Fado

Podes-me dar por castigo
Que te não torne a escrever
Mas que não sonhe contigo
Isso não podes faze
r

O teu desdém, o teu ódio 
Obriga-me a respeitá-los
Acaba o teu episódio 
Faz dos meus olhos vassalos
Se te apraz, vem arrancá-los 
Podes ser cruel comigo
Não me poupes ao perigo
De te adorar cegamente
Tudo o que é mau, finalmente
Podes-me dar por castigo

Condena o meu coração 
Ao mais servil dos desterros
Não tenhas comiseração 
Quero pagar os meus erros
Põe os meus braços a ferros 
A minha alma a sofrer
Aniquila-me o prazer 
De te ver, de te falar
Que te não vá procurar
Que te não torne a escrever

Nada na vida me influi  
Tudo na vida me cansa
Não sou nada do que fui 
Porque fui sempre criança
Ai, de quem jamais alcança 
Um peito leal, amigo
Como um feroz inimigo 
Impões-me como barreira
Que sonhe em tudo o que queira
Mas que não sonhe contigo

Não t'imponhas aos meu sonhos 
Nem tão pouco aos pensamentos
Sejam tristes ou risonhos
Não são teus esses momentos;
Que evitar de sofrimentos 
Se os pudesses desfazer
Podes-me até convencer 
Que te não torne a olhar;
Que deixe de em ti sonhar
Isso não podes fazer