As 5.156 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Bairros de Lisboa *C.Conde*

Carlos Conde / Alfredo Duarte *fado pagem*
*Extraído do site: Lisboa no Guiness*

Repertório de Fernando Maurício / Francisco Martinho 

Vamos ambos pela mão / De duas rimas de fado
Aos bairros com tradição / 
Da boémia do passado

Não quero entrar em despique / Mas se o quisesse fazer
Seria Campo d'Ourique / O primeiro a enaltecer 


Mas o bairro de mais fama / Mais fadista mais marujo
É a linda e velha Alfama /
Do Norberto de Araújo 

Lembra mais a nostalgia / Embora do mesmo agrado
Dum resto de Mouraria / Que ainda tem sabor a fado
Bairros que o povo acarinha / Tornam mais bela e fagueira
Esta Lisboa velhinha /
Tão velhinha e menineira 

Esse povo audaz boémio / Que viveu em sobressalto
Era amigo, era irmão gémeo / Dos faias do Bairro Alto  

Entre os bairros de Lisboa / Há um que é sempre criança
Vê lá bem se a Madragoa / Não vive cheia de esperança 

Nunca da mente nos passa / Essa boémia sem par
Que foi de Belém à Graça /
De Benfica ao Lumiar

A tradição nunca finda / Ainda ninguém a matou
E o presente vive ainda / Do passado que ficou

E pronto a volta está finda / P'ra quê andar mais à toa
Se Lisboa é toda linda / Se o nosso bairro é Lisboa