- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dentro de mim, Lisboa

Fernando Gomes dos Santos / Valter Rolo
Repertório de Inês Duarte c/ Carlos do Carmo

Cai a tarde no meu olhar / Pouco a pouco soltas a luz
Essa luz que é o meu ar / Que respiro e me atordoa
Trago-te dentro de mim, Lisboa

Corre o Tejo nas minhas veias / Há varinas na minha voz
Sou o corpo em que semeias / O fado que te povoa
Trago-te dentro de mim / Nos meus sentidos, Lisboa

Ai, quanta vida por sonhar
Ai, quanto sonho por viver aqui
Minha cidade de encantar
Eu nada sou sem ti

Em Alfama sou maresia / No Castelo recebo a Graça
De alma presa à Mouraria / Sou pregão da Madragoa
Trago-te dentro de mim, Lisboa

Nas vielas escondidas / Acorrento-me à saudade
Mas as tuas avenidas / São da minha liberdade