- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

João Pereira Tinoco

Neca Rafael / Alcídia Rodrigues *fado patolas*
Repertório de Neca Rafael

João Pereira Tinoco
Abastado lavrador;
Tinha um filho dorminhoco
Brutamontes e bacôco
Mas fez do rapaz doutor

Mal se acabou de formar / Foi chamado a um parentesco
E acabou de o matar
Porque o viu a suar / E receitou-lhe um refresco

Vejam bem o que ele fez / A um outro que o consultou
Mandou dizer trinta e três
E o homem disse tanta vez / Trinta e três, e rebentou

A mulher do Barnabé / Estava no leito a gritar
P’ra dar à luz um bébé
Mandou-a tomar rapé / E teve o filho a espirrar

Um colega da academia / Que também saiu doutor
Mete ao Tinoco a mania
De ser pescador de enguia / E então foi pescador

Tal mania lhe meteu / Que depois de ir ver um doente
Foi à pesca, adormeceu
Caiu à água, morreu / Senão matava mais gente