- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Quezílias *desgarrada*

Neca Rafael / Popular *fado mouraria*
Repertório de Neca Rafael

Ela:
Eu hoje venho estouvada / Venho sem medo nenhum
P'ra cantar á desgarrada / Desafio qualquer um

Por cobarde não me tomem / Mas que venha, não há perigo
Que venha daí o homem / Que queira cantar comigo

Ele:
Não há homem e com razão / Que queira cantar com ela
Quem tem medo, compra um cão / Ou até uma cadela

Ela:
Lá vens tu c'oa caõzoada / Só p'ra provocares quezília
Sempre por tudo e por nada / Falas na tua família

Ele:
A esta família vulgar / Tomaras tu pertencer
Que não andavas a ladrar / A quem não podes morder

Ela:
Tenho que te responder / Mas não vais ficar zangado
É porque eu ouvi dizer / Que o teu pai morreu danado

Ele:
É verdade que morreu / O homem mais meu amigo
Porque a tua mãe lhe mordeu / Num sítio que até nem digo

Ela...
Dá-me cá a tua mão
Ele... Se a queres, então cá está ela
Ela...
Nunca mais te chamo cão
Ele...
Nem eu te chamo cadela