- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quezílias *desgarrada*

Neca Rafael / Popular *fado mouraria*
Repertório de Neca Rafael

Ela:
Eu hoje venho estouvada / Venho sem medo nenhum
P'ra cantar á desgarrada / Desafio qualquer um

Por cobarde não me tomem / Mas que venha, não há perigo
Que venha daí o homem / Que queira cantar comigo

Ele:
Não há homem e com razão / Que queira cantar com ela
Quem tem medo, compra um cão / Ou até uma cadela

Ela:
Lá vens tu c'oa caõzoada / Só p'ra provocares quezília
Sempre por tudo e por nada / Falas na tua família

Ele:
A esta família vulgar / Tomaras tu pertencer
Que não andavas a ladrar / A quem não podes morder

Ela:
Tenho que te responder / Mas não vais ficar zangado
É porque eu ouvi dizer / Que o teu pai morreu danado

Ele:
É verdade que morreu / O homem mais meu amigo
Porque a tua mãe lhe mordeu / Num sítio que até nem digo

Ela...
Dá-me cá a tua mão
Ele... Se a queres, então cá está ela
Ela...
Nunca mais te chamo cão
Ele...
Nem eu te chamo cadela