- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Grande marcha de Lisboa 1955

Silva Tavares / João Andrade Santos
Repertório de Anita Guerreiro

É Lisboa, venham vê-la
São de sonho as graças que encerra
Só Deus sabe se foi estrela
Ou baixou lá do céu à terra

Pôs craveiros à janela
No amor é leal ardente
A falar… não há voz mais bela
A cantar… não há voz mais quente

Esta Lisboa bendita
Feita cristã p’ra viver
É a menina bonita
De quem tem olhos p’ra ver;
Moira sem alma nem lei
Quis dar-lhe o céu cor e luz
E o nosso primeiro rei
Deu-lhe nova grei
E o sinal da cruz

Nas airosas caravelas
Tempo após, com génio profundo
Cruz sangrando sobre as velas
Portugal dilatou o mundo

E a Lisboa ribeirinha
Ao impôr sua cruz na guerra
Foi então a gentil raínha
Ante a qual se curvou a terra