- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado azul (se azul se atreve)

João Gigante-Ferreira / Francisco Viana *fado vianinha*
Repertório de Helena Sarmento

Verdes ondas branca flor
Cor do vento, espuma breve
Verdes ondas, branco em flor
Cor do vento, espuma breve;
Qualquer cor a do amor
Beijo azul p'ra quem se atreve
Qualquer cor a do amor
Beijo azul p'ra quem se entregue

Como barco rumo ao sul / No meu corpo, a maresia
À procura desse azul / Que o teu corpo prometia;
Na procura desse azul
Naveguei-te até ser dia

Tão constante foste vaga / Tão ardente a maré-viva
Tua proa que naufraga / Nosso rasto de saliva;
Tua proa que em mim naufraga
Nossas bocas na deriva

Este jeito de ser livre / Na prisão da tua boca
Sabe a tudo onde não estive / Lucidez que me põe louca;
Sabe a tudo onde não estive
Lucidez é coisa pouca

Somos chuva tão precisa / Somos ventos do Magrebe
Somos ecos da Galiza / Somos tudo o que se perde;
Somos língua que desliza / Como tudo o que se escreve
Somos beijo desta brisa / Beijo azul se azul se atreve