As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Era tão bom ser menino

António Avelar de Pinho / Carlos Alberto Vidal
Repertório de António Pinto Basto

Esfolei os joelhos, rasguei os calções
Guardei bons conselhos p’ra melhores ocasiões
Fiz mil tropelias, levei-as ao extremo
Desbravei os dias como herói supremo

Fui índio, cowboy, polícia, ladrão
Mas contigo é que foi, fui um bom cirurgião
E as anatomias não tinham segredo
O que eu descobria a tremer de medo

Era tão bom ser menino
Valentino ou Aladino, Pirata, Rei, ou Maltês
Era tão bom não ter tino
Mas chorar com o Marcelino Pão e Vinho, ás matinés
Era tão bom ser menino
Justiceiro, clandestino, actor galantee cortês
Tudo em grande, em pequenino
Que eu só queria ser menino, ao menos mais uma vez

Trocei dos vizinhos, assaltei quintais
Até fui aos ninhos nas alturas dos pardais
Fui sei lá o quê, a tudo brinquei
Apredendi o ABC do fora-da-lei

Com Os Cinco lutei, na cartilha aprendi
Até me eventurei com o Emílio Salgari
Controlei o tempo, mas o tempo voou
E como nesse tempo, nunca mais parou