- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 90 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Era tão bom ser menino

António Avelar de Pinho / Carlos Alberto Vidal
Repertório de António Pinto Basto

Esfolei os joelhos, rasguei os calções
Guardei bons conselhos p’ra melhores ocasiões
Fiz mil tropelias, levei-as ao extremo
Desbravei os dias como herói supremo

Fui índio, cowboy, polícia, ladrão
Mas contigo é que foi, fui um bom cirurgião
E as anatomias não tinham segredo
O que eu descobria a tremer de medo

Era tão bom ser menino
Valentino ou Aladino, Pirata, Rei, ou Maltês
Era tão bom não ter tino
Mas chorar com o Marcelino Pão e Vinho, ás matinés
Era tão bom ser menino
Justiceiro, clandestino, actor galantee cortês
Tudo em grande, em pequenino
Que eu só queria ser menino, ao menos mais uma vez

Trocei dos vizinhos, assaltei quintais
Até fui aos ninhos nas alturas dos pardais
Fui sei lá o quê, a tudo brinquei
Apredendi o ABC do fora-da-lei

Com Os Cinco lutei, na cartilha aprendi
Até me eventurei com o Emílio Salgari
Controlei o tempo, mas o tempo voou
E como nesse tempo, nunca mais parou