- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Calçada de Carriche

Isidoro de Oliveira / Popular *fado mouraria*
Repertório de Teresa Siqueira

Carriche, a velha calçada
Tinha campo e liberdade
Era uma horta encantada
Mesmo às portas da cidade

Lisboa saía as portas / Quando o calor apertava
E com prazer abancava / Gozando o fresco das hortas
Só regressava horas mortas / Depois da sardinha assada
Do peixe frito e salada / E mesmo com muito vinho
Encontrava o seu camino / Carriche, a velha Calçada

Mal se falava em toirada / Lá no Campo de Santana
Lisboa de traquitana / Partia para a Calçada
A passo vinha a manada / Bem conduzida, à vontade
Mas ganhava velocidade / E então, se um toiro fugia
Começava a picaria / Tinha campo e liberdade

Tudo era morto e fechado / Na cidade adormecida
Lisboa buscando a vida / Ia a Carriche ouvir fado
Num retiro improvisado / Até alta madrugada
Cantava-se à desgarrada / E a água nas regadeiras
Respondia às cantadeiras / Era uma horta encantada

Se Lisboa fatigada / Quer descansar de Lisboa
Percorre estradas à toa / E regressa mais cansada
Lembrando a velha Calçada / Com sua simplicidade
Decerto sente saudade / Dos tempos que ali passava
De tudo o que ela lhe dava / Mesmo às portas da cidade