- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O meu filho

José Galhardo / Raúl Ferrão
Repertório de Maria Albertina

Meu filho que coisas tem o destino
Ganhei-te a ti meu menino
Na hora em que eu me perdi
Meu filho foi Deus que quis consolar-me

E que achou justo pagar-me / A dor cruel que eu sofri
Meu filho meu grande amor minha alegria / Sem ti meu bem eu morria

É minha alma quem te diz / Meu filho que ao pé de ti tudo me passa
E até bem digo a desgraça / Que me tornou tão feliz

Meu filho só há um amor não te iludo
O amor de mãe que dá tudo / Sem reclamar nada em troca
Meu filho se me pedisses um dia
A própria vida eu daria / P’ra ver sorrir essa boca

Meu filho só hoje sei quanto é de terno
O suave peito materno / Quanto afecto em si contém
Meu filho vai ser a ti meu doce enlevo
Que eu vou pagar o que devo / Á santa que é minha mãe