- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado rezado

Mário Raínho / Raúl Ferrão *fado alcantara*
Repertório de Sónia Santos

Cruzo o meu xaile sobre o peito, em devoção
Como fosse uma oração que vou rezar
E nos cadilhos, nervosos dedos enleio
Apenas pelo receio de me enganar

De não saber de cor, este fado-reza
Porque a alma me represa, mas com decoro
Atiro a voz, para aos céus poder chegar
Para Deus me ouvir cantar
Quase num choro

Este fado que choro a cantar
Tem o seu altar e um sacrário antigo
Num lugar onde almas dispersas
Abaixam conversas p’ra rezar comigo
Fecho os olhos e saio de mim
E esta fé sem fim a voz me conquista
É assim, por virtude, ou pecado
Que faço do fado oração fadista

Quase que queria pôr meu xaile nos cabelos
Como um véu e com desvelos orar meu fado
E que esses versos fossem contas dum rosário
A guitarra, um relicário abençoado

Deus me perdoe de lhe esmolar um perdão
De atrever uma oração desta maneira
Mas a cantar sinto melhor o que digo
Creio não merecer castigo, assim Deus queira