- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado maravilhas

Luís Miguel Oliveira 
Repertório de Raúl Solnado 

Fui num domingo a Cacilhas / Mais o Chico Maravilhas
Comer uma caldeirada 
A gente não nada em taco / Mas vai dando pró tabaco
E p'ra regar a salada 

É porque isto é mesmo assim / A gente morre e o pilim 
Não vai p'rá cova co'a gente
E antes gastá-lo no tacho / Do que na farmácia, eu acho
Isto é que é principalmente

Terminada a refeição / Ao entrar na embarcação 
Começou a grande espiga
Um mangas abriu o bico / Pôs-se a mandar vir com o Chico
E o Chico arriou a giga

Eu p'ra acalmar a tormenta / Ainda disse; oh Chico "auguenta"
Mas o mangas insistiu
E o Chico sem intenção / Deu-lhe um ligeiro encontrão
Atirou c'o tipo ao rio

Um sócio de outro meco / Quis-se armar em malandreco
A gente já estava quentes
Veio p'ra mim desnorteado / Eu dei-lhe c'o penteado
E pu-lo a cuspir os dentes

Veio outro, veio outra ideia / De sarnelha e plateia
Mais outro, fui-lhe ao focinho
E o Chico pelo seu lado / Só para não ficar parado
Aviou quatro sózinho

Fez-se uma grande molhada / Desatou tudo à estalada
Eu e o Chico no centro
Daquela calamidade / Apareceu a autoridade 
E meteu-nos todos dentro

Não tenho vida para isto / E de futuro desisto 
De me meter noutra alhada
Nunca mais vou a Cacilhas / Mais o Chico Maravilhas
Comer uma caldeirada