- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Resta-me a esperança

António Rocha / Alfredo Duarte *marcha do marceneiro*
Repertório de António Rocha


Mais um dia sem te ver
Menos um dia de vida
Sem te ouvir, sem te falar
Porque vieste acender
Esta chama adormecida
Que eu não queria despertar

Quanto mais foges de mim
Tanto mais perto te sinto
Menos consigo esquecer-me
Mas se apareces por fim
Vejo-me num labirinto
Onde receio perder-me

O amor que em mim despertaste
É rio que corria manso
E hoje transborda do leito
Falei-te, não me escutaste
Estendo os braços, não te alcanço
Aumenta a angústia em meu peito

Angústia que não se cansa
Desde o dia em que te vi
De me prender em seus laços
Resta-me apenas a esperança
Que não fujas mais de ti
E te entregues em meus braços