- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Noite de inverno

João Gigante-Ferreira / Alfredo Duarte *mocita dos caracóis*
Repertório de Helena Sarmento

Dorme o frio nos telhados
Dorme o vento nas gaivotas;
Os amantes abraçados
Dois veleiros ancorados
O segredo atrás das portas;
Dorme o frio nos telhados
Os amantes abraçados
Voo raso de gaivotas

Caem brilhos de cristais / Quando a chuva se ilumina
Quando os corpos pedem mais
Espadas de samurais / Bainhas de concubina
Caem brilhos de cristais
Quando os corpos pedem mais / Quando a chuva se ilumina

Já se espera o que acontece / Quando o fogo se incendeia
Quando o corpo se apetece
O inverno de si esquece / Todo o frio em que se enleia
Quando o corpo se apetece
Nele se afunda o fogo em prece / Como canto de sereia

Caem sombras aos pedaços / Entre o frio da janela
No sossego dos teus braços
Cerra a noite os seus espaços / No amor que por mim vela
No sossego dos teus braços
Os meus sonhos são estrelas / Debruçadas na janela