- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.650 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Palavra à solta

António de Vasconcelos / Joaquim Campos *fado alexandrino* 
Repertório de Carlos Zel 

Na boca dum poeta que não morreu de amor
Mas bebeu da raíz do medo e da revolta
Na alma duma preta e duma branca flor
Anda no meu país uma palavra à solta

No peito dum amigo que não morreu soldado
Nos barcos e nas redes, nos campos duma herdade
Na raiva do mendigo, nas palavras dum fado
Escrita nas paredes e muros da cidade

No gesto da mulher que passa à minha rua
Levando pela mão uma criança nua
Há todo o meu país, há um grito d'esperança
E uma palavra à solta nas mãos duma criança