- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.690 LETRAS PUBLICADAS <> 2.679.000 VISITAS < > 01 FEVEREIRO 2023
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Conversa com o fado

Daniel Gouveia / Frederico de Brito *fado britinho*
Repertório de Teresa da Câmara


Conversou meu coração
Na questão da tradição
Com o velho e castiço Fado
E falaram à vontade
Doutra idade e da verdade
Com que já fora cantado

Disse então ao nosso fado / Magoado e amargurado
Meu coração com ternura
Que é feito do sentimento / Do lamento e encantamento
Na tua forma mais pura?

E daqueles pianinhos / Gemidinhos, tremidinhos
Da guitarra a acompanhar?
E o estilar à moda antiga / Que bem liga co´a cantiga
Que dá mais gosto cantar?

Respondeu-me o Fado assim
Espero, enfim, não ter mau fim / Depois do que já passei
Haja o que houver, sigo em frente
‘inda há gente que me sente / Por isso não morrerei!