- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estou bem

Capicua / Ricardo Cruz
Repertório de Inês de Vasconcellos


Fiz a cama de lavado
E com papel perfumado / Forrei a minha gaveta
Duas gotas de lavanda
E sentei-me na varanda A beber um chá de menta

O gato deitado no colo
Ouço Coltrane num solo / A tocar no gira-discos
Olho a cidade serena
Que até parece pequena / No sossego dos chuviscos

Estou bem
Assim sem ninguém... tão bem
Sabe tão bem saber estar em solidão
Como também
Quando a companhia vem
Estou bem, sabendo bem saborear a confusão


A sala silenciosa
Parece estar ansiosa / Que retorne o frenesim
Mas eu aproveito o tempo
Faço render o momento / De ter espaço só pra mim

Aconchego-me na manta
Abro um livro, mas às tantas / Vou deixando o sono ler 
Quando uma mão pequenina
Me acorda com uma festinha / E a casa volta a encher