- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O choro da guitarra

Mário Raínho / Alfredo Duarte *fado cuf*
Repertório de Fernando Jorge


Guitarra, não derrames mais tristeza
Que ao ouvir-ter chorar, mais acentuas
Enquanto vou cantando esta incerteza
Se choras minhas mágoas ou as tuas

Se a minha voz te canta tão serena
Como louca desatas o teu pranto
E eu fico sem jeito, faz-me pena
Então quase emudeço e já não canto

Guitarra, sei que a minha dor entendes
E que tens muito mais que seis sentidos
Porque sõa doze, as cordas com que prendes
A minha alma fadista aos teus gemidos

Quem te deu à nascença essse destino?
Quem te moldou em forma coração
Se te escuto a gemer desde menino
Porque andas a chorar de mão em mão?