- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O dia do casamento

Carlos Leitão / Mário Pacheco
Repertório de Carlos Leitão

Há uma janela enfeitada
Aberta de madrugada
Ao doce enleio do trigo
Há lírios roxos no chão
Em jeito de um coração
Que se apressa em estar contigo

Todos os dias são este
Na manhã que tu escolheste / A branco e mel vestida
Deixa que o sol amanheça
Põr grinaldas na cabeça / E vem mostrá-las à vida

Sorri, que o povo saíu
À rua de onde partiu / Quando não havia fim
Deixa que o vento te grite
Te despenteie e se agite / E dancem juntos para mim

Que o choro seja alegria
Bordada de poesia / Agora que vais chegar
Meu amor, hoje é diferente
Tanto sonho e tanta gente / E tanto tempo para amar