- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.590 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

A solidão não é assim

Fernanda de Castro / Elvira de Freitas
Repertório de Ada de Castro

Olho o relógio
São horas de fechar a minha porta
Se o mundo ficar lá fora
Deixa-o ficar, que me importa

Sózinha não estarei só
Tenho a guitarra a meu lado
Por isso não tenhas pena
Sou fadista, canto o fado

Meus sonhos são borboletas
Vão de canção em canção
Trouxe da rua, violetas 
E a casa cheira a jardim;
Nada disto é solidão
Solidão não é assim

Fecho a cortina
Que a noite anda lá fora a espreitar
Vou reler as tuas cartas
P'ra noite não entrar

Prazer e dôr, tudo passa
Custa muito a despedida
Mas um grande amor, bem sabes
Dura menos do que a vida

Tenho um vestido vermelho
A tua recordação
Os teus retratos, um espelho
Que me faz pensar em mim;
Nada disto é solidão
Solidão não é assim