- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Envelhecer em Lisboa

Carlos Baleia / Daniel Gouveia
Repertório de Linda Leonardo 

Sinto a cidade em passos que vou cumprindo
No avançar da idade, em sonhos que vão caindo
E a saudade colada nos meus cansaços
Segue o rumo dos meus passos  a falar da mocidade

No empedrado vou lendo histórias antigas
Livro magoado, que inspira suas cantigas
Ouvem-se os sinos das igrejas do Chiado
E os meus passos peregrinos são ecos do meu enfado

Sinos de fado, estranha oração de Lisboa
Um som salgado na cidade de Pessoa
Poema ouvido, soluço que dobra a esquina
E é repetido de colina p'ra colina

Peso nos ombros, água nos olhos saudosos
Dos meus escombros relembro tempos viçosos
Ao caminhar nesta viela escondida
Sem partir e sem chegar, cumpro meus passos na vida