- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amor campestre

Henrique Rego / Popular *fado mouraria*
Mariana Silva e Alfredo Marceneiro

Ela
São duas amoras pretas / Teus olhos enfeitiçados
Ai quem me dera colhê-los / P’ra acabarem meus cuidados

Ele  
P’ra acabarem meus cuidados / P’ra acabar minha paixão
Dou-te os meus olhos e tu / Dá-me em troca o coração

Ela
Dá-me em troca o coração / Quando o sol bater na eira
Terra que o sol não aqueça / Não dá boa sementeira

Ele
Não dá boa sementeira / Nem dão frutos os pomares
Não há sol que abrase mais / Do que o sol de dois olhares

Ela
Do que o sol de dois olhares / P’ra alumiar os amantes
Quando cantam rouxinóis / Pelas quebradas distantes

Ele
Ontem à tarde na fonte / Meu amor foi desprezado
Ou falavas com as águas / Ou tens outro conversado

Ela   
Ou tens outro conversado / Não me digas tal loucura
Ele  
Tua boca é um pão alvo / Que a minha boca procura