- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.590 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Banco de jardim

António Vilar da Costa / Arlindo Carvalho 
Repertório de Emílio dos Santos 

De bibes e laços brincamos os dois
Ao saír da escola, tu esperavas por mim
E o primeiro beijo, trocamos depois
No banco velhinho daquele jardim

Tuas loiras tranças, meus negros cabelos
Já se vão tornando pálido marfim
Num sorriso triste, lembro sempre ao vê-lo
O banco velhinho daquele jardim

Meu saudoso banco de outras mocidades
Alquebrado e velho como os meus avós
Companheiro franco das minhas saudades
És fiel espelho do que somos nós

Já o tempo ingrato lhe mudou a cor
Só não muda o rumo da paixão em mim
'inda nos sentamos a falar de amor
No banco velhinho daquele jardim

Mais tarde, chorando nossas mocidades
Quando a nossa história fôr chegando ao fim
Vamos concerteza desfolhar saudades
No banco velhinho daquele jardim