- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Quando se ama loucamente

Letra e música de Manuel Cruz
Repertório de Aldina Duarte

Quando se ama loucamente
Nada existe doutra forma
Tudo no seu peso incerto
Todo o rasgo de um motivo
De olhos num sorriso aberto
Dando o corpo ao esquecimento
Como um tronco na corrente

Quando o sangue corre à frente
Não há corações ao alto
Vivos numa nuvem de éter
Rebolando pela estrada
Embalados no cansaço
Poros desse espaço aberto
De quem ama loucamente

Mesmo que o desejo abrande
Nunca se vai apagar
Nunca lhe ganhaste o jogo
Em todo este tempo
Não percas mais tempo a tentar