- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Teclado

Fernando Pinto do Amaral / António Vitorino de Almeida
Repertório de Carlos do Carmo

Flocos talvez de neve ou só de lava
Brilham à superfície do piano
Flutuando sem fim num oceano
Cuja maré renasce em cada oitava

Compassos com que Mozart nos seduz
E nos leva de súbito à procura
De um resto de razão na mais escura
Noite de inverno transformada
em luz

Até
que pouco a pouco nessa onda
Talvez a voz da água nos responda
Confessando um segredo ao nosso ouvido

E todas as prisões, todos os medos
Se dissolvem na polpa desses dedos
Ao sabermos que nada está perdido