- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Porque?

António Pinto Basto / Armando Machado *fado súplica*
Repertório de António Pinto Basto


Ó mãe da minha enorme desventura
Serás feita de lama ou de cristal?
Vens do seio da terra ou vens da altura
Cuidar do nosso bem, do nosso mal?

Tu trazes na boca carícia impura
Guardas no peito a folha de um punhal
Caminhas pela mão de Deus segura
Ou guia-te um espírito infernal?

Sombra, porque me encobres o caminho?
Fantasma, porque ris dessa maneira?
Luz, porque tremes quando eu vou sozinho?
E porque hei-de eu amar-te a vida inteira?

Porque chamas por mim, porque t’escondes?
Fantasma, porque ris dessa maneira?
Porque me foges, porque não respondes?
E porque hei-de eu amar-te a vida inteira?