- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Lisboa vai, Lisboa vem

Pedro Bandeira Freire / Paco Bandeira 
Repertório de Margarida Bessa 

Lisboa vai, Lisboa vem... 
Lá vai lisboa atrás do fado picadinho
Que dá nas vistas a trinar pelas esqueinas
Por fadistas e varinas 
No teu tom tão choradinho
Lisboa vai, Lisboa vem...
Neste fadinho que é tão à sua maneira
Tudo canta, tudo gosta e até chora
Que este fadinho de agora

Já corre Lisboa inteira

Guitarra, sardinha assada // Violas de caldeirada

Um bacalhau a compasso
Carapaus à desgarrada // Uma sangria desatada

Uma rima e um bagaço

Lisboa vai, Lisboa vem...

P’las mãos do rio a caminho de Cascais
Onde os fadistas são castiços e fidalgos
E cantam ao desafio 

À noite á beira do caisLisboa vai, Lisboa vem...
Atrás da nova geração que se adivinha
São os fadistas dessa Costa do Estoril
Os farristas do baril

Do fado vadio da linha

Quem arrisca uma noitada // Sem saber se é portuguesa

É gente mal educada
Bebe vinho do francês // E champanhe da Bairrada

E conta que é do escocês

Lisboa vai, Lisboa vem...

Lá vai Lisboa atrás do fado picadinho
Que dá nas vistas a trinar pelas esquinas
Por fadistas e varinas

No seu tom tão choradinho
Lisboa vai, Lisboa vem...

Neste fadinho que é tão à sua maneira
Tudo canta, tudo gosta e até chora
Que este fadinho de agora

Já corre Lisboa inteira

Quando o povo vai p’ra rua // Para inventar a cidade

Que no peito se demora
Bebe o vinho da ternura // Mata a sede de saudade

Que Lisboa ainda cá mora